sábado, 6 de novembro de 2010


Enquanto o tempo passa...
A SAUDADE FICA

Pensamentos vivos tropeçam no meu sentir
Tão longe e tão perto, vibram entre foi, é e será...
E os silêncios retiram-me deste dormir.

Sou carruagem viva, depósito de tanta coisa.

Sou trégua liberta deste corpo transitório.
Sou vento que sopra minha brisa na aurora.
Sou Caminho vindo do Purgatório.

Vai mais longe quem o sabe ansiar.

Para ti
Utilia

sexta-feira, 5 de novembro de 2010


LIBERDADE


"Quem controla a liberdade dos outros nunca foi livre dentro de si mesmo।

Só uma mente livre pode gerar pessoas livres?....
"Augusto Cury

Deus criou-nos pessoas livres, mas finalmente o que é a liberdade ...

quinta-feira, 4 de novembro de 2010




SIM ACREDITAMOS: Missão do Mês de Novembro

Contribuindo com o pouquinho que sei, mas com o muito que o Espírito Santo me dá vou continuando nesta maratona que é o TERÇO PELAS ALMAS, elas são muitas, e ainda são muito mais acrescidas, quando nos lembramos de todas aquelas perdidas neste nosso mundo e pelas quais temos a possibilidade de partilhar caridade, amor e talvez até alguns bens materiais e ajudá-las a seguir em paz o caminho da vida terrena.

Aceita-se inscrições para a oração: “a messe é grande e os operários são poucos” Até agora temos connosco:

1- Teresa
2-Gisele
3-Filipa
4-Canela
5-Fa
6-Mer
7-Ailime
8-Utília
9-Dulce
10-Maria Luiza
11- Folhas de silêncio
12- A Capela
Read more: http://degraudesilencio.blogspot.com
Vamos então orar, e orar com Fé e tendo sempre presente a Esperança neste mundo e no outro, sabendo que: “Se dois de entre vós se unirem, na terra, para pedirem qualquer coisa, obtê-la-ão de Meu Pai que está nos céus। Pois onde estiverem reunidos, em meu nome dois ou três, Eu estou no meio deles Mat18:19-20 ”


Veio-me agora á ideia, uma paciente em Cuidados Paliativos, agnóstica, acreditava num princípio num fim e no Amor e na Caridade.
Quando estava para morrer era difícil para ela desprender-se de tudo para partir para esse fim, pois para ela o Amor acabava ali e a Caridade também para lá disto segundo ela nada mais existia.
Nos últimos instantes ela chamava pelos pais, curioso não acham? uma pessoa que não acredita em nada chama pelos pais na hora de morrer, eles já tinham morrido, e ainda o mais curioso é que ela dizia-me que eles estavam ali com ela aos pés da cama, eu disse-lhe: eu não vejo nada nem ninguém mas se está a vê-los diga-lhe que a ajudem a ir com eles, passados alguns segundos ela tinha partido em paz agora podemos imaginar o que se entender eu fiquei-me na Esperança da Ressurreição, ela que recordo com saudade. paz á sua alma.
Utilia

quarta-feira, 3 de novembro de 2010


MISSÃO DO MÊS DE NOVEMBRO

Aqui estão os participantes de tão nobre missão, (aceitam-se inscrições) .
A hora do terço pelas almas é ás 6h 30, tinha-me enganado sabem...pensava que era ás 18h e 30, este nosso encontro espiritual e virtual, e não é que ás 6h e 30 me levantei para rezar o terço a pensar nas almas...curioso não acham.
1- Teresa
2-Gisele
3-Filipa
4-Canela
5-Fá
6-Mer
7-Ailime
8-Utília
9-Dulce
10-Maria Luiza
11- Folhas de silêncio
12 A Capela
Read more: http://degraudesilencio.blogspot.com


Tenho andado a rezar o terço pelas almas do Purgatório, já no ano passado pela mesma época fizemos esta caminhada, a nossa amiga Teresinha lançou-nos este desafio.
Desta vez confesso que foi mesmo a amiga Dulce que me deu um safanão para eu ir para a frente já a Teresinha e a Gisela fizeram uma linda exposição sobre o assunto e eu depois do que me foi dado ler acho que tenho o dever de dar o meu melhor, pelo menos por aquelas que consegui acompanhar até ao Purgatório e quem sabe?
Será que elas precisam da nossa ajuda?
Só hoje entro mesmo a sério nesta missão, “sou um obreiro da última hora.”
Que Deus aceite esta nossa dádiva com a mesma humildade com que a Santa Margarida ofereceu os seus sacrifícios por esta alma.
Conta ela: “Quando estava junto do Santíssimo sacramento, no dia da sua festa apresentou-se de repente uma pessoa a arder. O estado lamentável em que me mostrou como estava no Purgatório fez-me verter lágrimas abundantes. Disse-me que era a alma de um religioso beneditino que em tempos me tinha confessado e me ordenava que comungasse.
Por esse motivo Deus tinha permitido que se me dirigisse pedindo ajuda para o alivio das suas penas. Pediu-me todas as obras e sofrimentos durante três meses.
Prometi-lhe depois de pedir autorização á minha Superiora.
Disse-me então que o primeiro motivo do seu sofrimento era o facto de, por apego á sua reputação, ter posto acima da glória de Deus os seus próprios interesses segundo, a falta de caridade para com os irmãos, o segundo, o demasiado afecto que tivera pelas criaturas.
Ser-me-ia difícil exprimir o que tive de sofrer durante esses três meses.
Ele não me deixava e parecia-me vê-lo todo em fogo, com dores tão intensas que me provocavam continuamente gemidos e choro.
Finalmente passados três meses vi-o cheio de alegria e de glória: ia gozar a felicidade eterna e, ao agradecer-me disse-me que junto de Deus me protegeria. (Da autobiografia 98 edição 1920, de Santa Margarida – Alacoque.)”.

Ainda não sei bem o que dizer a desta citação.

Estou muito ignorante sobre todas estas coisas, talvez com a vossa ajuda possa abrir-me um pouco.
Hoje tenho este especial pensamento que me guia

“Feliz daquele que tem por ajuda o Deus de Jacó,
E por esperança o Senhor seu Deus,
Autor dos céus, do mar, de tudo o que aí se encontra,
Ele é o eterno guardião da verdade Salmo 146:5-6”

Utilia

terça-feira, 2 de novembro de 2010




RESTOS DUM ROSÀRIO

Ainda não entrei bem na oração do terço pelas almas, apesar de ontem ter rezado por elas. Há algo que contar-vos antes, um sonho que tive o mês passado, talvez um pesadelo, não consegui compreender o seu sentido ou antes os sonhos só têm sentido quando se faz tudo para que se tornem realidade, este é impossível.

Ponderei...Será que vale a pena contá-lo? “Tudo vale a pena se a alma não é pequena.”
Antes de mais passo as críticas verbais ou até cobardemente não verbalizadas.
Já me auto critiquei, apenas digo que foi um pesadelo: Tudo na vida tem uma razão de ser mesmo os pesadelos? Não sei.

Estavam algumas pessoas reunidas, para fazerem uma caminhada, nem sei para onde.
Estavam nesse grupo de caminhantes alguns leigos, um padre de uns cinquenta anos muito humilde mesmo e um bispo, o bispo estava vestido de branco, juntámo-nos num local desconhecido para mim., parecia-me um depósito de qualquer coisa.
Começamos a caminhada, mas dispersamo-nos, uns conheciam o caminho, e seguiram pela estrada entre eles o bispo e o padre, outros como eu que conheciam estes carreiros, foram montanha acima., ao chegar lá ao alto talvez um bocado em avanço, um cão não muito grande mas raivoso veio ao meu encontro e ladrava, ladrava, queria morder-me, mas eu enfrentei-o e com as minhas mãos apertei-lhe o focinho, com toda a minha força, foi uma grande aflição, a única arma que tinha eram as minhas mãos a apertar aquele focinho e aparentemente estava sozinha a enfrentar aquela fúria.

Estavam atrás do cão umas pessoas, entre outras um homem com uma faca, mas ninguém se mexia.
Agarrando com ainda mais força o focinho do cão entre as minhas mãos, ponderei em o largar: a decisão foi muito difícil, se o largasse ele voltava-se para traz e mordia as pessoas que estavam atraz dele ou então matava-me a mim e visto a passividade de todos os que estavam atrás do cão dali não havia defesa possível pensava eu....
Num pesadelo tal gritei:
São Miguel arcanjo defendei-me neste combate....
E acordei...
Ainda bem que foi um pesadelo pois como poderia eu manter um focinho dum cão raivoso entre as minhas mãos? Um frente a frente difícil confesso.
Ainda bem que gritei pelo São Miguel Arcanjo.


Nunca vos passou pela ideia que um mundo pequenino como o nosso tem muitos mundos, muitas sensações e tantas impressões sem contar aquelas que eliminamos.
Vive-se destes ingredientes.
Salsa, pimenta, colorau, cominhos, tudo especiarias especiais... Mas se nos falta o sal tão comum, a comida acaba por ser intragável e esta vida sem sabor.

E nesse mundo que é nosso o mundo tem também o mundo dos sentimentos: os medos, as duvidas, as angustias, as certezas, as incertezas as crenças e os mitos confundem-se sabem?.
Ás vezes custa acreditar que temos senso na vida, e uma certa humanidade mas é assim nem sempre as pessoas são o que mostram, há algo que as distingue daquilo que são mas o quê?
Mas meus amigos quem é bom? Quem é mau?
Hoje por acaso chove, o vento sopra os santos são tantos... já de nome aclaro, mas a verdadeira santidade o que é?
Para mim é pois fazer pelos outros o que gostaria que me fizessem a mim, é caminhar o meu caminho sabendo que estou a fazer o melhor que sei e que posso, isto, sabem, são verdadeiros milagres, não metafísicos mas são extraordinários... fazer o que tenho e devo fazer com perfeição... Difícil mas acessível
Tropeçar em coisas muito altas é verdade que provoca quedas, mas dar pontapés nas pedras...Quem diz que não faz doer nos pés?
Sabem as tempestades também incomodam e se não nos agarramos a mais alto que o que se vê lá vai tudo na enxurrada.
Utilia

domingo, 31 de outubro de 2010

ELA?... É?...SERÁ?...
Ases vezes sabem, esgota-se tudo: A paciência a amabilidade, a caridade a alegria e outras iguarias que temos, esses remédios de vida e amarras que nos seguram a ela como ligaduras que alguém colocou.
Sim porque se não fosse assim acham que valeria a pena viver?...
Mas no limiar de tanta obscuridade há outros em que escorre das veias aquela Força Vital que trazem no sangue.
É essa que quero homenagear hoje.
Aquela que diz sim livre mas de mãos amarradas
Aquela que sorri mas soluça lá por dentro
Aquela que caminha tropeça e cai mas se levanta airosa a cantar.
Aquela que se esconde a chorar
Aquela que ousa apenas uma lágrima largar
Aquela que relembra que nada é nosso.
Aquela que conta uma anedota verdadeira mas a brincar.
Aquela que raspou os joelhos a rezar.
Aquela louca sem razão mas que as razões vão lembrar.
Sim amigo o mundo é nosso, ninguém o pode negar.
Ai liberdade que nunca negas a valia do ser em si, alma que desabrocha no silêncio interpelador de algo mais longe que o que se escreve e o que se diz.
Desvario assim esta carrada de tralha, como construindo algo dum nada, mas a brisa que me afaga essa tenho-a bem presente no rosto.
Já nem sei que dizer mas as teclas escrevem sozinhas, sentimentos do meu ser.
Será que consigo escrever?
Que tragédia debitei na minha conta corrente números tão avultados… aonde encontrei eu algo de tão entulhado já com julgamentos pré concebidos?
Esvaziado o segredo da vida o sim e o não ao lado.
Um dia sim outro não, é tudo tão parecido que do sonho á realidade apenas resta a liberdade.
Utilia




UMA ROSA PARA TI

É o Outono
As folhas despedem-se das árvores
Formando um tapete de verdes e castanhos,
Esperança caída no vaso terra....Apanhá-la?

Assim caiem também as ilusões junto aqueles túmulos.
Fotografias espalhadas aonde a vida passou de rajada
Deixando caras agarradas a essas pedras de mármore.
Aonde está a vida?

Tantas flores... cada flor um desejo um
Pensamento ou apenas um sentimento.
Quem sabe se não é apenas um preconceito?

Tantas mensagens escritas
Eterna saudade de...
Lembrar-me-ei de vós enquanto viver.

Passam-me vidas pela mente ligadas
A cada retrato que vejo
E eles persistem em durar tal como antigamente

E a ultima mensagem escrita é:
Eles não morreram...
Adormeceram nos braços da madrugada.

E a velhinha sentada naquela lápide diz-me
Venho marcar encontro com eles...

Utilia