sexta-feira, 13 de novembro de 2009

"É BESTIAL"

"Cada vez que sorris a alguém, realizas um acto de amor"
Madre Teresa De Calcuta

Na verdade uma pessoa, é um mundo dentro de outro mundo, uma história, na História da Vida, contendo palavras, vivências, factos e tantas outras coisas que entendemos e vemos aqui e acolá...
Cada um a escreve á sua maneira, a descreve e a marca, ou até a vive com mais ou menos sensibilidade e bem... o que fica dito e por não dizer, faz que se encontrem almas e corações. Ao passarmos os olhos por essas histórias que mais parecem mesmo estórias, encontramos-nos face a face connosco mesmos e até nos identificamos a isto ou aquilo, outras vezes até pensamos, que não nos diz respeito. Finalmente chegamos á conclusão que tudo isso é mesmo muito limitado... Por fim conclui-se que isto pode, e até será, uma maneira de se conhecer melhor o mundo em que se vive e o mundo que se é, mas nada disto é ganho porque há certos limites....
Às vezes encontram-se por aí essas histórias disfarçadas que eu considero não menos verdadeiras que aquelas que se dizem verdadeiras.

...Pois é...
Há dias ao entrar no quarto de uma paciente, que nem falava, pois estava bastante prostrada, fiquei surpreendida,.
A senhora X, tem 86 anos...Pensava mesmo que ela estava desorientada, negava-se a aceitar todo o cuidado que lhe fosse prestado,e além disso retirava a sonda para alimentação, a sonda urinária, o soro, um verdadeiro inferno... Pensei, cá para comigo, esta senhora está mesmo a não querer ou até a nem precisar de colaborar connosco.... em certos cuidados.
Mas entre deixar a paciente morrer de fome, desidratar-se e até deixar de realizar outras necessidades fisiológicas para poder viver,tomar decisões é mesmo difícil que deverei eu fazer?... Ai, ai ás vezes não é nada fácil ser-se enfermeira pois não?
Bem, o problema não é fácil de resolver. Será que a imobilização seria uma solução? Não, não se foi por aí, o colega teve uma ideia mais simpática.

...E dirigindo-me a ela especialmente ao ver aquelas luvas tão habilidosamente feitas...digo: que luvas tão jeitosas tem... Quem lhas fez?
-resposta pronta: "foi aquele miúdo, seu colega que mas meteu, para quê não sei" e assim ia dando socos com uma mão na outra.

Com certeza para fazer boxe...mas pensando melhor, vão-lhe proteger as mãos contra o frio. Pois é... digo eu.

...Brincadeira...
A doente ficou em silêncio a brincar com as luvas, e depois de lhe ter prestado a devida atenção, voltei-me para a outra paciente ao lado, para prestar outro cuidado.
Estava de costas voltadas e oiço,"você, é bestial"o termo que não oiço com muita frequência, suou-me um pouco fora de série, não só pelo significado da palavra mas pela pessoa que a dizia, e também que apesar de saber a etimologia da palavra eu conheci-a como um calão muito usada para assinalar qualquer coisa fora do vulgar ou até formidável "mesmo bestial".
Mas aqui... tive mesmo que adivinhar o que queriam dizer, estas palavras:

-Disse obrigada. Não sei se isso quer dizer bem ou mal, mas seja como for eu agradeço pois nunca ninguém me disse tal coisa que era "bestial".
Ela disse e repetiu, "digo isto do coração".
Pensei, se vem do coração ...
Se não tivesse olhado para a cara dela, talvez até ficasse incomodada, mas como vinha da cara ao coração fiquei feliz.

Conclusão
Nós que estamos tão próximos do ser Humano deparamos-nos com situações que parecem estórias mas até nem são...deixam-nos mesmo a pensar,

Utilia