segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

VEM DANÇAR A VIDA


VEM DANÇAR A VIDA

Um sonho que se desfez em farrapos de neve
Seja agora todo branco. “Luto”? Sim luto...
Apanhai-o por favor, ainda é época de colheita.

Quero colocar as estrelas num cestinho dourado

È um desejo de criança.
Uma insistência de mulher fada
Um encanto da Luz.

Vamos dançar?

Sem saber, atravessou-se o tempo.
Caiu na real idade dum crer próprio
Abriu as portas ao querer...

Caminhar e olhar o firmamento.
È um privilégio, uma dádiva
Que Maravilha amigo (a)

Vamos passear?

Anda comigo, vamos? Chegou a hora.
Dança á luz da lua naquele bocadinho de nuvem
Estende os braços é a ultima valsa amigo (a).

Com aquele olhar penetrante colhe
O sentimento do “Homem espelhado” nos gestos.
Mostra o que no íntimo vais sentindo.

Sente comigo

Apalpa-se sim, mesmo se o frio gela.
Partilha: Paz, Alegria, Amor.
E os passos, a pegada e o caminho pisado?

Dança comigo esta última valsa, ela é nossa.

Pego nas tempestades, nas enxurradas
Nas folhas secas, nas lágrimas caídas
Ilusões, sonhos e pesadelos...

Espalho-as na terra molhada


Deixa voar, deixa passar, dança... dança, amigo.
Não te baixes para apanhar as ilusões
Deixa tudo e vem dançar. Dança comigo a vida.


Obrigada amigo pela dança maravilhosa do teu olhar.
Utilia Ferrão