segunda-feira, 28 de maio de 2012

A MINHA ESPERANÇA DE POETA

Aí ... mas de que serve imaginar Regiões onde o sonho é verdadeiro Ou terras para o ser atormentar ? É elevar demais a aspiração, E, falhado esse sonho derradeiro, Encontrar mais vazio o coração. Fernando Pessoa, in Soneto XXXIV



E a minha esperança de poeta, alimentada de cristalinas fontes 

Deixa para todos vós, 
o cheiro inebriante do perfume que sorri 
na hora em que a flor medita...


Utilia Ferrão