OS MEDOS DOS MEDOS QUE NÃO TEMOS

Rasgaram-se as nuvens,
Em farrapos, transparência do teu ser
E da tua noite, na minha noite
Nasceu um novo amanhecer.

Voaram rapinas barulhentas
E quando a tempestade parou
Desapareceram
As corujas mais agoirentas.

Chegou-se ao topo das Vidas
Escalando os raios de sol.
Realizaram-se as altas subidas

Fios sedosos e brilhantes,
 Que o universo nos envia.
Tais preciosos diamantes.

E cada fio entrançado
 Sobre aquela montanha
Será para sempre lembrado


Aonde os mensageiros da paz
Descem sobre a serra
Cordas da eterna luzem,

 Sobem vapores de incenso,
Descem em tempestade de alegria.
Começa um novo dia



Utilia Ferrão

Comentários

Mensagens populares deste blogue

FALEM CONNOSCO NÃO FALEM DE NÓS

LEMBRANÇA

ENQUANTO O VENTO ME LEVA