sábado, 10 de março de 2012

QUARESMA, Sábado 2ª SEMANA


Pai dá-me a parte de bens que me cabe”.

Fala-me a inspiração,
Num sentimento do paradigma social.
Tento arrancar ilusões na terra dos meus antepassados.
Mas que plantei? Que semeio? Compromissos, promessas.
Mas a realidade de Deus não é a realidade dos homens

E depois de tanto lutar dou comigo a exigir regras de conduta.
Não, não vou julgar pelas aparências, vou procurar a sinceridade e a integridade, que são quanto a mim muito mais valiosas que um simples encanto especial

“Tenho mesmo de mudar.” Dizia o filho pródigo não contente
Com a sua situação.
E foi talvez numa ambição de melhorar a sua vida que o filho pródigo quis mudar.

Pai dá-me a parte de bens que me cabe”.
E o Pai fez para eles a partilha dos seus bens”  Luc 15,12-13


Nesta parábola do Pai e destes dois filhos: O filho mais novo e do filho mais velho
Poderia eu mesma, ser o Pai ou um dos filhos.
Poderia julgar e ser julgada: retirar conclusões quanto ás qualidades e defeitos ou até às diferenças notórias entre estes três personagens: O mais novo cheio de ambição, parte e esbanja a herança que recebeu do Pai, e o mais velho sempre fiel, fica com o pai e continua com a sua dedicação, e aquele maravilhoso e amoroso Pai.

Dois filhos muito diferente. Personalidade diferencia..., caracteres diferentes

O mais novo cheio de ambição, chega á conclusão que a casa do Pai é melhor que qualquer outro lugar por onde passou, e finalmente volta arrependido, e pede apenas compreensão e que seja tratado como um dos criados. As coisas mudam...

O Filho mais velho sempre assíduo na casa do Pai indigna-se com a atitude deste, em relação ao filho mais novo: visto que ele o acolhe de volta, de braços abertos.

Depois de se ter reflectido e pensado

“ Quantos operários do meu pai têm pão de sobra e eu aqui morro de fome “Luc 15, 17-18


Decisão... E ARREPENDIMENTO

Volta a casa do Pai e pede perdão.
“Pai pequei contra o céu e contra ti. Já não mereço ser teu filho, trata-me como um dos teus diaristas” Luc15,18-20


Um Pai bondoso que está sempre de braços abertos para acolher os seus filhos.
Festa, alegria bela roupa e anel no dedo..., “a ovelha perdida voltou ao rebanho.”
Mas?
Será que o filho mais velho consegue ter a mesma compreensão e a mesma alegria que o Pai?
Não...
Ele encheu-se de cólera e não quis entrar, e o pai saiu para pedir-lhe que entrasse...

a mim nunca deste nem um cabrito sequer para festejar com os meus amigos. Mas quando chegou esse teu filho, que devorou teus bens com prostitutas, mataste o bezerro gordo para ele. Luc 15, 29-31

Ainda perguntas porquê?
Isso é coisa que se vê com olhos de ver “ OLHOS DO PAI”.
Esta parábola quanto a mim deve ser vista com os olhos da alma e vivida com os olhos do coração.
Mas é complicado, pois deves fechar os teus para veres a alma do outro e aí então podes falar olhos nos olhos de alma a alma e de coração a coração.

“Vale mais prevenir que remediar.”Para o filho mais novo
“Nunca te arrependas do bem que fazes”.Para o Filho mais velho
O PAI
Tu és o meu filho muito amado mesmo com defeitos ou cheio de qualidades
.
Utilia Ferrão

6 comentários:

Al Rodrigues disse...

Querida Utília,
Continuamos como ELE Quer. Tudo igual.
Apesar das saudades de vós, continuo sem vontade de por aqui continuar.
raposoreis@gmail.com
Forte abraço
Mer e família

Alfa & Ômega disse...

Que primor de texto, querida Utilia. Ainda ontem eu comentava que eu me sinto como o filho mais velho que parecia bonzinho, mas na realidade ele tinha rancor no coração e não conseguia perdoar como o Pai e nesse momento eu peço ao Senhor da Vida, que eu não seja como o filho mais velho que guardava escondido a sua mesquinharia, o rancor a falsidade. Linda e primorosa participação, amiga querida! Grande abraço!

Dulce disse...

Utilia, tal como tu fui fazendo o exercício de me identificar com os vários exemplos e reflito: Quantas vezes me sinto o filho pródigo? O filho fiel e até o pai que se alegra de cada vez que um pecador regressa?
Obrigada por este texto belíssimo onde fui desfiando os retalhos das minhas próprias faltas.

Um abraço a todas por esta iniciativa

Felipa disse...

Ai, amiga Utília, quantas vezes me sinto como o filho mais velho, cansada de cumprir as obrigações morais e religiosas e depois ver os outros, que levam a vida a divertirem-se sem quererem saber de ninguém, a serem idolatrados e nós a sermos postos de parte, festas para os outros e a nós nada...
Isso cansa, cansa muito, mas depois as palavras do Pai salientam-se na nossa mente, mas eu nem preciso do vitelo gordo, um franguinho já estava bom...

Conversão, é a chave, para compreendermos todos os ensinamentos do nosso Mestre. Que Ele nunca perca a paciência para nos perdoar e acolher, para me acolher e perdoar, eu preciso mesmo do Seu amor.
Perdoe o desabafo, bj

Ailime disse...

Olá amiga Utília,
Uma reflexão profunda e completa sobre a Parábola do filho Pródigo.
Por vezes sinto-me um e outro e só peço a Deus que me ajude a discernir para fazer a Sua Vontade.
Ele um Pai misericordioso que nos ama e que perdoa sempre.
Saiba eu merecê-Lo.
Um grande beijinho e bem-haja pela sua riquíssima partilha.
Ailime

Je Vois La Vie en Vert disse...

Bela lição de amor paternal, de arrependimento do filho e de revolta do outro filho.

Beijinhos
Verdinha