sábado, 17 de março de 2012

CAMINHADA, QUARESMA: SÁBADO 3ª SEMANA


QUARESMA: SÁBADO 3ª SEMANA

Dois homens subiram ao templo para rezar...

Lucas 18, 12-14
“ Ó Deus, graças Te dou por não ser como os outros homens, que são ladrões, malfeitores, adúlteros, ou ainda como esse colector de impostos. Eu jejuo duas vezes por semana, pago o dizimo de tudo o que adquiro.

O colector de impostos mantendo-se á distancia, nem mesmo queria levantar os olhos para o céu, mas batia no peito dizendo: Ó Deus tem compaixão do pecador que eu sou”.

Aqui estão dois personagens antagonistas, apresentando a Deus o que lhes vai na alma.

Luz e trevas...

O primeiro apresenta a ostensão a vaidade o orgulho e a fala de caridade e Humildade.

E nesta reflexão eu pergunto-me e pergunto-nos o que penso eu que sou e quem sou?
Quem pensam os outros que sou e quem sou?
E Tu meu Deus que pensas de mim? Ou antes como me fazes ouvir e compreender estas coisas, e aceitar-me no ponto X da minha vida, aquele cruzamento em que me encontro neste momento? Pois eu seria bem capaz de ser este fariseu ou talvez aquele Publicano...

Na verdade aos olhos dos homens este primeiro exemplo é um “verdadeiro exemplo”....E será mesmo? Quanto a mim apenas com a minha medida e com a graça de Deus digo:

 o “Hábito não faz o monge”. Talvez para caminharmos e fazermos compreender ao outro o estado em que se encontra seria bom que pensássemos: por exemplo, no que

diz Carl Jung :”
_conheça todas as teorias domine  todas  as técnicas mas para tocar uma alma humana , Seja apenas outra alma humana.

A forma de agir do Publicano pode e deve ser exemplo para todos nós, mas como tocar estes fariseus que são também seres humanos e filhos do mesmo Deus?

Não é fácil... sou, és como o Publicano, ou como o Fariseu?
Aqui interpela-me o meu mais profundo...Seja quem for, “É” com os outros.

E se sou fariseu?

Talvez eu, Publicano contribua para esse estado de coisas. Isto é complicado não acham?

 E eu fariseu? Nunca é tarde para mudar o Senhor espera sempre de braços abertos a ovelha perdida. O PERDÃO DE DEUS, O PERDÃO DOS HOMENS e o MEU RÒPRIO PERDÃO, serei eu, serás tu, sereis vós capazes de ouvir estas palavras e de as entender ao sabor da PALAVRA?

E orando o Pai-nosso eu digo Pai-nosso e Pão-nosso...
Seja feita a Vossa vontade.
Utilia Ferrão

Quero com as minhas companheiras de caminhada dar graças a Deus e também anunciar, que mais uma amiga se juntou hoje a nós, a Dulce, aliás ela nunca deixou de caminhar connosco, fez apenas uma pequenina pausa,  tem-nos acompanhado comentando e fez parte de todas as outras caminhadas.

 Os participantes são os mencionados na lista seguinte
:


Regina

Utília

Marili

Maria Luiza

Ailime

Felipa






4 comentários:

Felipa disse...

Amiga Utília, muitas vezes me interrogo também: sou publicano ou fariseu?
Preparei orações para a noite de adoração ao Senhor, na minha terra, na semana passada, e tive o cuidado de as copiar (da net) com um tipo de letra bonito e juntar também uma imagem religiosa, a maior parte eucarísticas. Imprimi tudo e fiquei contente, era um trabalho bonito (30 páginas, que coloquei numa capa).
E depois pensei: quero que as minhas companheiras de oração vejam este trabalho porque sou vaidosa e quero que me digam que é bonito e que fiquem admiradas com as minhas capacidades (nenhuma delas sabe sequer ligar um computador)? Ou para que ao verem este trabalho se sintam mais próximas de Deus, como eu fico quando vejo algo bonito que me lembra Jesus?
Acho que foi pelas duas coisas, mas qual delas em maior parte?

Penso que em determinados momentos das nossas vidas todos somos publicanos e fariseus, o melhor é pedirmos a Deus que molde a nossa alma à Sua santa vontade e dela retire tudo quanto a Ele se opõe.

Obrigada, amiga, pela participação, que Deus continue a guiar os nossos passos nesta caminhada para Ele.
Bj

Ailime disse...

Olá Amiga Utília,
Uma reflexão profunda e muito bela sobre o Evangelho de hoje.
Também sinto que por vezes sou como o fariseu e como o publicano.
Então peço ao Senhor que me perdoe e ajude a ir ao Seu encontro com humildade e disponibilidade e a caminhar com Ele com o meu coração aberto, disposta a mudar e amá-Lo sem reservas.
Que o Senhor a todos ilumine e nos dê força e coragem e que em nós se faça a Sua Vontade.
Caminhemos todos juntos em direção à Páscoa da Sua Ressureição.
Um grande beijinho.
Ailime

Dulce disse...

Ser o quê? Que sou eu aos meus olhos?
Mas que serei aos olhos dos outros?
Certamente já fui comparada como o publicano e também como o fariseu...
Mas o que mais quero é descobrir o que o Senhor acha de mim e tal como diz a Felipa deixarmos que Deus nos molde a alma nem que seja contorcida e espremida, mas que fique do Seu agrado.
Obrigada Utilia por me pores esta questão: Quem sou eu?

Um beijinho grande
Dulce

Alfa & Ômega disse...

Sou! Mas quem não o é! Felipa falou tudo sobre o post. E bem falado. Ser fariseia é o que mais temo, mas Deus nos conhece a fundo, ele lê nosso coração, como Dulce ressaltou. Parabéns pela linda e profunda postagem. Eu adorei refletir e por vezes me envergonhar de ser fariseia. beijão, querida amiga!