domingo, 11 de dezembro de 2011

A MARÈSIA

Caminhar-no-Adevento

A MARESIA

Álvaro Campos escreve: “Nós todos temos duas vidas. A verdadeira que é aquela com que sonhamos na nossa infância... A falsa, que é aquela que vivemos no comércio dos outros...

Aproveitei pegar em mim e meditar nesta frase que me deixou vagas no pensamento, tal como as ondas, trazendo á terra os restos duma barca perdida no alto mar.

Na maresia daquele pensamento,

Ondulam os meus olhos

E no o reluzente faro do que se passa naquela alma

Navego na imensidão daquele mar de sonhos

Subida a pique da saudade

Sempre mais ao largo. Deus no topo, horizontal e vertical

Acima? Ao lado? Dentro de mim?

Indagando sempre mais no sentir.

Acasala-se a lógica e a razão.

E No Mistério e a Acção

Ascendendo assim o milagre da vida.

Aparece uma lâmpada acesa.

Transcendendo a obscuridade do que sou

O Nada e o Tudo aparecem próximos, inseparáveis.

Os julgamentos da alma delimitam-me no espaço corpo.

É inédito...

Tudo fica amplamente discernido

No projecto da existência....

Alguns muros levantados.

Tantas pontes crescidas.

Algumas construções inacabadas...

Brilhante é a vida.

Amarrada com fitas de prata

Fica-se em sopros e assobios.

Cada vez mais Altos

Acorrentada ao que é, ao que foi e ao que será.

Sibilada na ventania dos tempos á deriva: (barca perdida).

Ela pega mais uma vez nas suas mãos e escreve.

Não me reconheço.

A identidade de mim, mesma, separou-se

E agora desfragmentada espalha-se no nada e no tudo que sou

Papeis espalhados, paredes esfumadas pelo fogo da vida, cheiro a fumo, cheiro a mar, cheiro a terra,

E num derradeiro e gástrico sentido.

Uma sensação imensa de comer polegadas e léguas de insultos calúnia e amarguras sem nenhuma necessidade.

Desjejua-se o que se tem no peito

Nada mesmo nada, tudo bem.

Obrigada

Utilia Ferrão

11 comentários:

Felipa disse...

Maresia é uma palavra que conheço muito bem, o cheiro a maresia foi o que mais me custou deixar quando mudei de casa, senti falta do mar, do barulho do mar, do cheiro característico das marés.
De uma certa maneira a nossa vida é como o mar, umas vezes navegamos em águas mansas, outras vezes são marés vivas que nos tentam abater mas que são necessárias ao nosso crescimento interior. E as tempestades que por vezes enfrentamos só nos tornam mais fortes, cada vez mais fortes.

Gostei de ler o que escreveu, escrever com o coração faz brotar a verdadeira poesia. E o sofrimento faz sobressair o que de melhor há em nós.

Bj

Filha de Maria disse...

Sem palavras... maravilhoso aquilo que aqui partilhou connosco.


Um beijinho fraterno, amiga Utilia.

Pena disse...

Preciosa Amiga de Excelência:
A sua escrita, de certeza, que concebe milagres. É tão fabulosa e extraordinária no que concebe de deslumbre e maravilha.
Os seus textos, ao mesmo tempo que fazem sonhar, fazem meditar profundamente nos mistérios da existência e do Divino inalcansável.
Parabéns, pelo génio humano que é e significa.
Beijinhos puros ao seu eu pessoal e ao seu eu transcendente fabuloso.
Adorei o que li. Numa palavra: Soberbo!
Com respeito pelo ser pensante notável e sublime que é seu.
Sempre a admirá-la imenso.
Agradecido pela magia literária expressa no meu blogue que sem si não seria o mesmo.
Deslumbrado por tanta beleza sua.

pena

Fantástica. Linda.

Silenciosamente ouvindo... disse...

Maresia é realmente um cheiro
muito familiar.
Gostei deste seu texto.
Tenha um Feliz Natal.
Bj.
Irene

aguarela disse...

Utilia

Creio que este é um dos mais belos,senão o mais belo trabalho que lhe conheço.
Nunca ninguém consegue entrar plenamente na mente ou nos sentimentos de quem escreve.Mas,este aqui disse-me muito.Creio que entrei um bocadinho em si.( se é que assim posso dizer).
Entre o escritor e o leitor há um espaço,uma margem de conjecturas ou suposições.Não serei eu a atravessar esse rio,pois não o saberia fazer.Sei que que o seu poema me tocou e muito.Maravilhoso!!!
beijinhos

Silenciosamente ouvindo... disse...

Obrigada pela sua visita ao meu
blogue e seu comentário.Gostei
muito.
Beijinho
Irene

Dulce disse...

Naveguei nas profundezas do teu sentir, sabendo no entanto que não cheguei a tocar o fundo, porque esse é demasiado profundo para ser entendível a outra pessoa que não a que escreve. Mas rolei e deixei-me ir à deriva dos teus sentimentos e não naufraguei,mas ainda estou levitando...
Um beijinho Utilia

Ailime disse...

Amiga Utília,
Simplesmente belo e profundo o que escreveu!
Algo que possa acrescentar poderá desvirtuar o seu sentir sublime.
Um beijinho e muito obrigada por este momento.
Ailime

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida
Jesus passou por opróbrios para que nós nos espelhássemos nele... a vida é assim... uma pena!!!
Bjm de paz

Nilson Barcelli disse...

Gostei da tua maresia feita com a alma...
Beijo, querida amiga.

teresa disse...

passo para te desejar um santo e feliz NATAL , na companhia daqueles que mais amas ..

beijinhos