sexta-feira, 7 de outubro de 2011

OUTONO

OUTONO

Quando os números já não são matemática.
Nem as flores palavras.
Nem a alma conhece o destino
Nem o pensamento opina?

É a Vida, eu sei.

E as folhas do Outono que teimam em cair…

Caiem como meteoros desfragmentados,
Contra as paredes do destino.
Retornando ao solo que as absorve.

É a Vida, eu sei

E as folhas do Outono que teimam em espalhar-se…

Resta-nos sim, algo…”Aquela Força”. Que as move.
Ver aquelas árvores abanando os restos dum Verão Escaldante
Sobre a Terra que as ampara, não deixa de ter o seu sentido.

É a Vida, eu sei

E as folhas do Outono que teimam em encontrar-se…

Frágeis… sofrendo dignamente os abanões do Outono.
E aquelas pérolas de seiva que correm dentro das recordações,
Aonde passaram?

Sim, eu sei e vós também, todos sabemos é a Vida.

Folhas de tantas cores, nenhumas se parecem com a cor da saudade



Cansadas de estar no topo da árvore caiem por terra.
E ilesos para verem as folhas caírem,
E sentirem a luz terna do sol, baixando no horizonte,

Resta-nos sim, algo …”Aquela Força”.

E as folhas do Outono deixam um segredo: as Primaveras voltarão com outros rebentos:

Utilia Ferrão

9 comentários:

Dulce disse...

E que em todos os abanões dos "outonos" tenhamos aquela força para nos deixarmos levar ao sabor da vida.
E que nunca nos esqueçamos de a olhar a cores porque ela tem nuances de esperança que nos vivifica.

Que saudades tinha de te ler:))
Beijinho

Pena disse...

Preciosa Amiga de Excelência:
Criou um texto admirável e que entendo mais do que devia.
Parabéns sinceros.
A suas folhas viverão de forma eterna, assim como o seu talento e magia do que plasma de forma sublime e perfeitamente.
Já registei no que sou.
Abraço amigo ao seu ser genial e perfeito.
Com respeito profundo pelo seu talento majestoso e fantástico.
Sempre a admirar o que concebe com a sua ternura e carinho visíveis no seu significado transcendente e mítico na imensa Blogosfera.

pena

Reconheço que é sensível e repleta de pureza em tudo o que faz e é.
Excelente.
Valores e atitudes muito ternas e lindas, como você!
Adorei lê-la, amiga de sonho.

Rosa disse...

Em todos os "outonos" vimos cair as folhas, é a vida...
E se não podemos modificar a "natureza" podemos e devemos manter firme ”Aquela Força” na certeza de que ela nos ajuda a ver as "folhas" com outros tons.

Abraços

Pena disse...

Admirável e Terna Amiga:
E escutando palavras, não ditas, frases e ideias, escritas ditas, entende-se perfeitamente a beleza e a riqueza, dos amigos (as) virtuais, que se tornam repentinamente mais reais que as realidades que vivem e que são.
Eles são reais, nós somos todos reais.
Numa realidade “Real”, que só quem escuta compreende.
Obrigada por tudo aquilo que nos vai trazendo como escuta.
Abraço amigo.

Fez chorar. As lágrimas caiam-me sem cessar.
Sem mais...dado o seu encanto.
Beijinho.

pena

Ailime disse...

Olá Utília,
Um poema lindo. O Outono inspira-nos, porque em cada folha caída há um novo rebento, uma nova folha, uma nova cor, uma nova esperança para as nossas vidas.
Um beijinho, Utília.
Bom fim de semana.
Ailime

Fa menor disse...

Outono, tempo de nostalgia...tempo de deixar cair o que é velho para que ressurja nova vida.

Tudo tem o seu tempo, e há um tempo para tudo
:)

Bjinhs

Nova Civilização disse...

Amiga,

não estava conseguindo comentar no seu blogger. Acho que agora vai dar certo. Linda reflexão,

beijinhos


Gisele

Alfa & Ômega disse...

É a VIDA! É bonita e é bonita!
seu poema é lindo demais como a vida! beijinhos

Ailime disse...

Olá amiga Utília,
Desejo que esteja bem!
Tenho um desafio no meu Palavras bem engraçado que me foi proposto pela amiga Maria Luiza e que sugeriu que o passasse à Utília, Dulce e Felipa!
Sugeri à Dulce que por sua vez o passasse à Fá, Gisele e Teresinha.
Se puder aceitar poderá indicar outras amigas que certamente ficarão satisfeitas.
Deixo-lhe um beijinho e muito obrigada.
Continuação de um dia muito agradadável.
Ailime