domingo, 4 de setembro de 2011

HÁ SEMPRE UM BOCADO DE PEDRA MAIS PONTIAGUDO QUE OUTRO

Ao vaguear pela estrada da vida tropecei comigo, e distingui os velhos sapatos, que rotinhos por causa de tanto caminhar, feriam os meus pés, eram palmilhas novas que faltavam.... Retirei-os, sabem? Já não conseguia continuar a usá-los, e por mais deselegante que pareça, o melhor será fazer-me a sola dos pés.
 Sabem meus amigos? Por vezes, é preferível caminhar descalço que com um sapatos rotos ou apertados, claro, que se... se caminha de pés nus, os olhos terão que estar bem abertos e os ouvidos bem alerta, postura direita.
Há sempre um bocado de pedra mais pontiagudo que outro, ou ás vezes um prego que teima em estar lá aonde não devia, sem contar com aquelas tais cascas de banana...deixadas descuidadamente por aí, e claro, tudo pode acontecer: ferir-se como é óbvio, e até escorregar, pois claro.
Mas mesmo descalça nunca se deixa de apreciar o toque da terra mãe, nos pés de quem a tropeou, é agradável sabem?
 È uma sensação de já vivido, como que um acordo entre um ser tão “terra á terra” que gosta de tocar, sentir, ouvir e discernir e por fim caminhar, e um ser dito inanimado que finalmente até nem é, digo eu. Acreditam?
Ter consciência do que se é, esfregar os olhos e acordar para novas ideias novas caminhadas, atravessar pontes, destruir muros, trabalho árduo, dizeis vós? Mas eu digo-vos: a satisfação dum desejo íntimo dá sabor á vida.

Li uma passagem do livro dia a dia com Deus e ficou-me o sabor doce destas palavras que transcrevo:

Regra geral, as nossas acções giram em torno do habitual: fazer.
Quem vai fazer isto? Quem vai fazer aquilo?
Absorvidos por tanta coisa a fazer, nem sequer nos sobra disponibilidade para equacionar se não haverá nada que lhe seja anterior, concomitante ou posterior. Se, no fundo, não haverá nada mais importante, prioritário ou urgente.
O dia-a-dia com a sua devoradora carreira sugere-nos que não. João Paulo II, com a sua sapiente lucidez, garante-nos que sim. Acima do fazer encontra-se o ser.
É pois á luz do ser que se impõe parar um pouco.
Para sentir, para ponderar e para pensar: pensar o que se faz afim de se fazer o que se pensa.

Acabei de vos contar tanta coisa... mas, lembro-me agora, não vos disse que já cheguei de férias e que estas foram uma verdadeira reestruturação da minha pessoa, física e espiritualmente e social também: no ser no estar e no fazer.
 Louvado seja Deus.
Foi bom, muito bom, cheguei sem sapatos... mas finalmente não há crise, nasci assim sabem? Mas vamos mudar alguns pontos e virgulas o resto se me permitem fica igual.
Utilia Ferrão


6 comentários:

Alfa & Ômega disse...

Utiliaaaaa!!! Que legal ver você aqui!!! Quantas saudades de você, minha amiga querida de além mar!!! E falando tanto de pedras pontiagudas, calçados rotos, caminhadas! Assim é nossa vida e seu belo texto veio a nos mostrar a esperança do bem caminhar! Beijão e linda semana!

Dulce disse...

Utilia chegaste sem sapatos? Isso dá-me cá umas ideias...e depois que acabei de te ler ainda mais vontade tenho de as expor...mas vou amadurece-las e limar alguma pontinha pontiaguda.
Bejinhos

Pena disse...

Amiga Extraordinária de Excelência:
O seu texto é uma tese de doutoramento avançado que toca a cátedra no seu expoente terminal e grandioso. O máximo. Sabe, porquê? É fabulosa e de deslumbrar.
Registei a sua posição sobre os pés e a agrura da dor se não existir cautelas.
Excelente abordagem que saliento pela sua maravilha e talento literário profundos, exemplares e de fascínio.
MUITO OBRIGADO pelo seu gesto de ternura para comigo.
Fascinado pela sua pureza e encanto.
Beijinhos amigos de gratidão, respeito e enorme estima.
Sempre a admirá-la e ao que significa de beleza pura.

pena

É um Ser Humano perfeito e notável, sabia?
Bem-Haja, pela amizade que me honra.
Parabéns.

Filha de Maria disse...

Muito obrigada por tão deliciosa partilha...

Beijinho fraterno

Ailime disse...

Olá amiga Utília,
Chegou e disse!
Muito bem e com a sua habitual frontalidade.
Gostei muito.
O ser acima de tudo.
Depois do que as nossas amigas escreveram e o nosso prezado amigo Prof. Pena que mais poderia acrescentar?
Apenas que já tinha saudades de a ler.
Beijinhos e muito obrigada.
Feliz regresso.
Ailime

teresa disse...

amiga , vai comprar uns sapatos , aproveita os saldos ...
agora a sério , gostei de te ler .

dulçe agora fiquei curiosa ..

jinhos ...