segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

O SEGREDO DA LÁGRIMA

Aí ... mas de que serve imaginar
Regiões onde o sonho é verdadeiro
Ou terras para o ser atormentar ?

É elevar demais a aspiração,
E, falhado esse sonho derradeiro,
Encontrar mais vazio o coração.

Fernando Pessoa, in Soneto XXXIV

A lágrima caía fazendo um sulco naquela cara rugosa.
Eu queria pegar nela, perguntar-lhe:
_Porque queres nascer, para morreres tão depressa e caíres logo esquecida?
E a lágrima tornava-se cada vez maior,
Tinha sabor a sal, sabor a água, mas era uma lágrima.
Descuidei-me e ela caiu na minha mão.
Confundida no sofrer do outro, procurei a dor mas só encontrei a Vida.
Voltei-me para o sol e senti que não conseguiria viver outro momento igual a este
Ele era único, intenso, meu e só meu, agora e aqui,
Por isso saboreei-o.
Nunca mais voltará...
È o momento de uma lágrima, uma lágrima que agora sorria.
Só quem vive intensamente cada segundo pode compreender o segredo da lágrima
Utilia

2 comentários:

RETIRO do ÉDEN disse...

Um beijinho.
Mer

Nova Civilização disse...

"...Só quem vive intensamente cada segundo pode compreender o segredo da lágrima"

é verdade.... estamos novamente a caminhar juntas e de mãos dadas,

beijinhos,

Gisele